sábado, 13 de junho de 2009

Dizer o que pensa, pensar no que se diz...

Em muitos momentos falamos sem pensar. Está na ponta da língua! diz o bordão. Pessoas assim, como nós, talvez, são tidas como francas, abertas, sinceras...ou antipáticas, sem educação...burras! Adjetivos. Ou... um caso a "pensar"!
Vale ficar exposto ao julgamento de terceiros, ou de nós mesmos, por que as palavras foram mais rápidas que o nosso pensamento?
Mas, diga a verdade: falar algo com vontade dá um prazer, não dá?...principalmente quando somos donos de uma verdade absoluta e estamos cobertos de razão.
E daí? Tudo tolices. Tolos somos todos. Palmas aos que ouvem e refletem.
"Eu não entendo o que faço. Porque o que quero fazer não faço, mas o que odeio eu faço."
- Romanos 7:15
Depois de dita, a palavra não volta ao centro de nossas entranhas. Elas se propagam e vão causando efeitos múltiplos. Influenciando em tudo que nos cerca. Pare e "pense"! Visualize esses exemplos:
  • o sermão da montanha;
  • Adolf, o ditador nazista;
  • madre Teresa;
  • Saddan Husseim.
Essas pessoas proferiram palavras diversas e influenciaram povos, corações e mentes. O divino e o demoníaco...
Assim podem ser nossas palvavras dentro do nosso universo. Nossa influência sobre o outro deve nos fazer medir as palavras. O silêncio pode ser algo que diz tão profundamente, que jamais será esquecido. Pois quem o "ouve" e interpreta, escuta o próprio "eu". Sábio, silêncio!
"Há quem tenha a língua como espada, mas a língua dos sábios cura."
- Provérbios 12:18.
"Não sai de vossa boca nenhuma palavra torpe."
Efésios 4:29
"Os lábios do insensato provocam querela, sua boca provoca os golpes."
- Provérbios 18:6
O rei Salomão, ao se ver guindado à condição de líder de seu povo, e tendo pouca idade, pediu ao Senhor a sabedoria. São de Salomão os provérbios. E neles temos as várias orientações sobre o que nossos lábios devem guardar.
Eu vos conclamo a calar e a escutar. A entender e a refletir. Façamos isso com nosso interior.
O que não nos temos dito? O que dissemos a outro, que não gostaríamos de ter ouvido? E, por fim: O que não dissemos ao outro, e que deveríamos ter dito?
"Acredito que as palavaras[...]têm o efeito de penetrar no corpo. Assim fazem com que fiquemos bem, esperançosos, cheios de energia, maravilhados, engraçados e alegres. Ou podem nos deprimir. Elas penetram no corpo e são até capazes de nos fazer adoecer."
- Maya Angelou
Bom final de semana a todos.

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. o silencio é a arma dos sábios e as palavas , dos verdadeiros mestres. Elas podem machucar, encantar, encorajar, destruir, mas em algum momentos, serao perdidas, esquecidas. Ja o silencio, se enternaliza,nos modfica,nos dá respostas, nos faz crescer. Lindo texto mor.
    bju

    ResponderExcluir
  3. "Nem acredites, se pensas que te falo: palavras são meu jeito mais secreto de calar." É da Lya Luft. Lindo, não? É uma boa desculpa para os que adoram falar...rsrs.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. o mais importante deste texto, é perceber a boa oportunidade de calar-se...rss..bju

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante. Avalie, critique, fique a vontade.