domingo, 5 de julho de 2009

Lições do Natalino: simplicidade e coragem.

Domingo calmo. Sono, preguiça, recordações da semana, mais sono e preguiça...Levantei e fui passar o café. Adoro café forte.

Banho, pãozinho quente e café gostoso, acompanhado do Esporte Espetacular. Estou meio Global neste fim de semana, observou uma querida leitora. Tá certa!

Eu adoro esportes. Todos. E amo futebol enlouquecidamente, diria. Desde menino. Lia Nelson Rodrigues, no Jornal dos Sports, e me imaginava escrevendo como ele (vejam só! criança, né?).

Então, voltando prá "telinha"!


Comecei a assistir a entrevista do Galvão Bueno. O entrevistado? Joel Santana. O "Papai Joel". O melhor técnico que o Romário já teve (segundo o próprio). O Natalino.
Joel, sempre foi um técnico competente. No cenário nacional conseguiu diversos títulos. Foi chamado o "Rei do Rio", pois conquistou títulos pelos quatro times grandes da cidade.

Após uma passagem mitológica pelo Flamengo, Joel foi convidado a dirigir o selecionado da Africa do Sul, por indicação do técnico Carlos Alberto Parreira.

Na semana decisiva, em que a África do Sul enfrentou o Brasil, pela Copa das Confederações, assistimos a um festival de críticas ao "guerreiro" Natalino. O motivo? Ele se aventurou a falar em Inglês.

Nossa!!! "Criminoso" Joel.

Vou citar uma passagem bíblica, que adoro, mesmo não a tendo praticado em momentos decsivos.
Não saia de vossos lábios nenhuma palavra inconveniente, mas, na hora oportuna, a que for boa para edificação, que comunique graça aos que a ouvirem.
- Efésios 4:29

O simples e simpático treinador dava uma grande lição, que podemos basear também nessas palavras das escrituras.

A boca do justo é fonte de vida
-Provérbios 10:11

Até então, não haviam perguntado ao Natalino o motivo da fala em inglês. O Galvão deu a deixa! Para que todos se rendam a uma gentileza e coragem incomuns.
Perguntado o motivo, o gentil Joel disse que foi um pedido dos dirigentes, jogadores e comissão técnica.

Não estavam interessados na pronúncia, no verbo no tempo certo ou outras variantes da gramática inglesa. O que eles queriam ouvir e interpretar era a emoção do que aquele treinador estrangeiro dizia.

Entenderam, críticos vorazes e mal informados? Ler, nas entrelinhas das palavras mal formuladas, a emoção. A verdade de um líder daquele grupo. Ter confiança. Confiar é tudo. E o líder se tornou mais líder, e prosperou com seu grupo.

Vendo a campanha do time Sul Africano, não precisamos questionar se o Joel atingiu o objetivo. Até Nélson Mandela (outro grande Ñélson, nas minhas linhas) reverenciou o nosso (isso! NOSSO) Natalino.


Ele é brasileiro, meu amigos. Mais um de sucesso. Simples. O cara do pão com manteiga na padaria. Do samba com os amigos. Da palavra fácil, mas simples e objetiva. O que sabe comunicar emoção. Não é preciso diploma para saber comunicar emoção. Precisa ter sido aprovado na escola da vida, sob a chancela de Deus, o Mestre Maior.

Boa, meu querido Joel. Que a sua coragem e simplicidade continuem desbravando fronteiras e mostrando um novo brasileiro ao mundo.

Não se intimide. Afinal...

Os lábios dos justos apascentam a muitos
- Provérbios 10:21

Uma tarde de simplicidade e emoção a vocês, meus prezados leitores. E não se intimidem. Falem com a orientação do coração e o pensamento em Deus.

Valeu, Joel!

2 comentários:

  1. Brasileiro,fiel.
    Portugues ou em ingles.
    Flamengo ou Botafogo.
    Acima de tudo um Joel Santana digno, eficiente, gentil, plácido.
    Representante do esporte brasileiro.
    Um vencedor

    ResponderExcluir
  2. É preciso ter coragem, ousadia e muita humildade para o Joel ter dado essa entrevista, pois mesmo sabendo de suas limitações, sabendo com toda a certeza q seria criticado,foi lá e mandou ver.As pessoas esquecem q para aprender erramos, para crescer caimos, para amadurecer sofremos e etc. É muito mais fácil julgar e criticar do q tirar algum aprendizado do gesto de coragem e ousadia deste homem.Parabens!!!
    Sandra Barbosa

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante. Avalie, critique, fique a vontade.