quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Instante.

A madrugada fria embalava para o sono.
O perfume do amor ainda pairava no ar,
Deixando seus encantos e sabores
Percorrerem o pensamento.

O corpo desalinhado no colchão ainda brilhava,
Com gotas de suor a deslizar.
A respiração ofegante, trazia lembranças das delícias
Que se ofertaram, naquela noite, em taças douradas de prazer.

Sabor de lábios ávidos.
Luz, do olhar de desejo.
Mãos em buscas frenéticas e silhuetas,
Que únicas, bailavam ao som do amor.

Os sentimentos desprendíam-se como
Labaredas de fogo, aquecendo fundo a alma.
O amor infinito.
A paixão calma, plácida, querida.

O mundo repousa naquele quarto.
O universo abriga aquele momento.
O tempo parou...
Há paz!


(autor: Anselmo Verissimo)

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Quanta Paz.... e equilíbrio...lendo ainda coloquei um fundo musical. Um beijo GRANDE

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante. Avalie, critique, fique a vontade.