sábado, 1 de agosto de 2009

Quando escrevo...

...não estou preocupado com uma idéia central. Abro a página do blog e "sento o dedo" no teclado. É quase pura intuição. Como uma psicografia. Nos textos que postei, os de minha autoria, não existia, de fato, o "eu" implícito. Tão pouco havia uma fonte de inspiração. Um "alguém" necessário àquelas idéias. Alguns livros que li e leio, me remetem a pensamentos. Gosto de mensagens positivas. Tenho compromisso com a felicidade alheia. Não responsabilidade. Responsabilidades as teem aqueles mesmos, consigo mesmos. Eu tento ajudar por intuito próprio.
Outra coisa que me chama a atenção: algumas pessoas tentam decifrar outras. Interpretações de vírgulas, pontos, letras...E a convivência, experiência, obras de vida e tudo mais? Resumem-se a sinais e símbolos gramaticais em mal traçadas linhas?
Não sou este blog! Ninguém é um blog (rs). Creio que quem escreve é apenas mais uma personagem daquela história, ou seja lá o que tenha escrito. Só testamento requer firma reconhecida, registro no cartório e é declaração de vontade ou coisa que o valha.
Aqui, quero falar de Deus. De coisas bonitas e úteis. Fazer amigos, sim. Reencontrar amigos que estavam no passado. Porque não? A Fatima Regina, que postou um comentário nesssa semana, deve ser um exemplo disso. Embora não me recordando quem seja ela. Peço desculpas.
Costumo dizer que não sei escrever. Tenho muito que aprender. Busco isso com amigos que o sabem, ou em cursos. Até admito que tenho um certo estilo. Mas daí, a dizer que escrevo bem...sou mesmo exigente em certas coisas. Curto as idéias que tenho. Mas, são apenas idéias, histórias...mesmo que basaedas em fatos reais, não dizem respeito à minha pessoa.
Livros
Quando quero falar de pessoas recorro a livros. Quando quero falar de pessoas, falo de Deus. Ele, que as criou à sua imagem e semelhança. E sempre tento criar nas pessoas um respeito próprio. Procuro demonstrar a elas que são dignas de carinho. Mas, um carinho consigo mesmas. Assim Deus as fez. Para se cuidarem e oferecerem o seu melhor ao próximo. Se amo a Deus, respeito as pessoas.
Não pertenço a nenhum grupo religioso ou algo semelhante. Mas amo a Deus acima de todas as coisas. A mim Ele já demonstrou sua presença. Todos somos passageiros. Nossos apegos e demasias (que são ótimas) devem ser medidas e ficarem apenas no momento. Será que pode? Pode. Basta sabermos que somos um. Que o outro é um. Que o sentimento do outro, é de um. Nossos limites. Os limites do outro.
Espaço-Tempo.
"Meio de quatro dimensões, sendo a quarta o tempo, necessário, segundo a teoria da relatividade, para determinar a posição de um fenômeno."
Espaço
Uma medida de extensão limitada ou indefinida. Nossa! isso diz muito. Pode ser grande, pequeno ou infinito (ah! esse espaço, não...rs). Simples assim. Notaram o "pode". Difere de "deve".
Tempo
Medida de duração dos fenômenos. Pode ser limitado, aprazado, fixado...notaram? De novo, "pode".
Relatividade
Qualidade do que é relativo, ou seja, que nada tem de absoluto; que depende de outra coisa. Viu?
Segundo Einstein, sua teoria diz que: "a duração do tempo não é a mesma para dois observadores que se deslocam um em relação ao outro."
Bem, amigos! (como diria, Galvão Bueno) Alguns dirão que sou louco. Outros, prepotente. Uns gostarão, outros não. Mas, como diz o título...
Eu, sou um. O blog, outro. E os outros são os outros. Mas adoro isso tudo. Escrever é o máximo, embora eu ainda não o saiba bem.
Disse a uma amiga, dia desses: os músicos e os jornalistas são felizes. Ela concordou em relação aos músicos. Eu, como amador, continuo com a minha opinião. Um dia chego lá! E pode ser que mude de idéia.
Não espero que gostem do que escrevo. Mas desejo que critiquem, debatam, rebatam, pensem.
Pois: "posso não concordar com nada do que disserem. Mas, morro defedendo seu direito à livre expressão."
Este fim de semana promete!
Beijão!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

2 comentários:

  1. Bravo! Bravo! Bravo! Muito bom! As postagens deste dia primeiro de agosto são todas excelentes!!! E o texto está cada vez mais caprichado, estiloso...rsr. Este que escreve, meu amigo, não é o blog... porque blogs não escrevem e não existem por si. Este é UM dos MUITOS que são VOCÊ. Depois de Einstein e por causa dele, hoje sabemos disso: tudo faz parte de um mesmo todo (Deus? Universo? Ou os dois são apenas Um?) e cada coisa pode ser muitas...dependendo sempre do observador. Pela primeira vez um texto seu transparece a sua face original; aquele cujo observador é você mesmo.Tudo o que os OUTROS vem em nós são mesmo apenas intepretações... apenas interpretações e possibilidades. Por isso escrever é tão importante e bom: para que possamos dialogar com nossos muitos "eus"; nos observarmos do nosso próprio ponto de vista e assim descobrir quem somos, o que realmente queremos ser, ou o que nos é possível em cada etapa do caminho. Gostei muito mesmo destas postagens e fico feliz de ter um amigo com quem possa trocar impressões de vida através de textos. E quanto ao resto: é como diz Fernando Pessoa: "O poeta [ou aquele que escreve] é um fingidor; finge tão completamente que chega a fingir que é dor a dor que deveras sente.". Parabéns e meus mais entusiasmados aplausos!
    Tenha belos dias!
    Hanna, de sempre.

    ResponderExcluir
  2. Adoro o que vc escreve, vc ja nasceu escritor, nao precisa curso, nada disso, basta colocar o sentimento para fora, e isso para vc é facil, vc tem o dom da palavra, inteligente, raciocinio rapido... eu adoro ler, e ler voce é maravilhoso... obrigada pela oportunidade...

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante. Avalie, critique, fique a vontade.