sábado, 29 de agosto de 2009

Viiiiiixe!!!!!!!! O telefone tocou...

- Olá! boa noite. Acho que você não me conhece. - a voz era suave, com frescor de juventude.

- Bem, parece que não. - o tom entre surpreso e encantado.

- Vi você saindo da garagem de um prédio. Imagino ser lá onde mora. Nossos olhares se cruzaram sutilmente, mas sua preocupação era com o trânsito e o fechamento dos portões da garagem. - ela, impressionando pela exatidão dos fatos.

- Sei! E você estava em que lugar, que pode ver tantas coisas? - ele tentou pegar a condução do diálogo.


- Eu vi seus olhos e eles me encantaram. Havia um certo ar de tristeza. Mas ao mesmo tempo uma força e muita vivacidade. Você saiu forte da calçada para o asfalto como quem domina um território selvagem. Todos seguiram o teu ritmo. Você os fez marcharem ao teu comando - disse sorrindo.
- Tantos carros e você, um lindo homem, apenas um, a guiá-los. Você é lindo! - concluiu.
Aquilo tudo era impreciso para ele.

- Obrigado, mas... - ela interrompeu, não o deixando falar.


- Sinceramente! Me desculpe. Nunca imaginei que seria capaz disso. Estou pasma comigo. Mas fiquei impressionadíssima com sua aparência. É algo mágico. Você tem um ar de pessoa especial, embora pareça discreto e simples. Isso é encantador! - ela comentou, com emoção na voz.

Tentando colocar algum sentido em tudo aquilo, ele procurava respostas.

- Posso saber seu nome? - ele tentou de novo.

- Ainda não. Hoje, não. - ela respondeu, finalmente dando espaço ao diálogo.

- Olha, fico feliz em passar boa impressão a você. Realmente estou surpreso. Mas você há de concordar que ficamos curiosos quando alguém, que não conhecemos, nos liga com tantas informações. Estou de fato curioso. Você mora no bairro? - ele tentou saber mais.

- Eu não vou poder falar muito, ainda. Me desculpe, meu lindo. Não quero te causar temor. Fique muito tranquilo. Acho apenas que devo estar me apaixonando. - soltando um risinho tímido.

- Estou tranquilo! Apenas, muito curioso. Não é comum esse tipo de coisa. - ele disse, um pouco intimidado.

Ela procurou deixá-lo mais confiante. Amenizar aquela aparente angústia, em virtude do inusitado telefonema.


- Eu sei! Cruzaremos muito pelas ruas do bairro. Mudei recentemente e estou adorando viver aqui. Agora, ainda mais. Se eu notar que sou "observada" por você, quando passarmos pela rua, eu me apresentarei. Pode ser assim? - ela deixou uma indagação, com ar bem matreiro.


- Vamos ver. Mas, como descobriu meu telefone? Isso eu posso saber? - ele voltou a insistir em alguma informação que fizesse sentido.

Ela, sempre muito tranquila e confiante, mantinha o tom de mistério .

- Quando estivermos frente a frente te conto alguns segredinhos que as mulheres possuem para conseguir certas coisas. - a fala, agora, era divertida.

- E de onde vem tanta percepção? É psicóloga, parapsicóloga, paranormal...? - disse ele, pretendendo manter o diálogo descontraído.

- Você é mesmo muito curioso. Poderia dizer que sou jornalista, mas seria maldade com você. Sou arquiteta e tenho uma empresa de engenharia. Construo prédios, pontes, viadutos e tudo o mais que requer ferro, tijolo, areia e cimento. - ela falou com empolgação.

- Uma arquiteta, empresária! E o que fazia cedo pelas ruas do bairro? - ele mostrava surpresa.

- Conhecendo o bairro. Deus pediu que eu me levantasse e fosse ver, pela primeira vez, o meu amor. Vi você e me encantei. Deus foi muito bom prá mim. Eu tenho toda a "arquitetura" do nosso encontro, pronta. A prancha, já está montada. Estou desenhando cada linha. Acho que pela primeira vez, em sua vida, seu destino estará sendo traçado por uma pessoa comum, mas com a permissão de Deus. Fique tranquilo. Serei gentil com você.

- Ei! Arquiteta! Calma aí... - ele, um tanto atônito.

Ela agora se revelava intensa, determinada.

- Darei a você o melhor dos mundos que um homem pode querer. Serei sua amante fiel e intensa. Serei a mulher com a qual você poderá desbafar suas fraquezas e nutrir suas necessidades. Colocarei pétalas de rosas, quando você chegar tarde do trabalho. E mesmo estando cansado, serei sedutora e nos amaremos dentro da banheira, com água morna e sais. Entregarei a você meu coração, para que você repouse seu cansaço e descubra a energia vital para seguir em frente. Serei seu escudo intransponível. Com ele você vencerá cada batalha sem ser ferido. E voltará sempre para os meus braços repousar, de novo, o seu cansaço. É assim que você descobrirá o maior dos amores, que só um Deus generoso pode conceder a duas pessoas. Serei sua ponte para a felicidade extrema e eterna, onde grandes realizações serão concebidas, sempre, em nome do amor. Eu serei a mulher com a qual...

Tu...tu...tu...tu... a fala foi interrompida pelo sinal do telefone.

- Ei! Nããããooo! Liga de novo. - pensou em desespero.

Trim...Trim...Trim....- o toque do telefone retornou, fazendo vibrar o coração dele que...

- Ah! Graças...Ahn!!!!...Nossa! Deus...Que sonho! Vixe! É o telefone.

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Adorei.... sera que uma historia dessa nao acontece comigo? eu iria adorar...
    beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante. Avalie, critique, fique a vontade.