quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Uma incrementada para seu entretenimento.

Inaugramos mais um espaço nesse blog e criamos um link (no final do blog) de pesquisa, caso queiram direcionar-se a um determinado texto. É só digitar uma palavra que tenham como referência e a pesquisa os levará aos textos em que a palavra foi usada.

Adicionamos uma seleção de nossos vídeos preferidos, relacionados a música e a futebol. O canal de esporte apresenta vídeos dos quatro principais times do Rio de Janeiro, prezado visitante. 

O outro canal, de música, tem uma seleção de artistas que adoro. Nessa primeira seleção não poderia deixar que colocar a minha diva do samba, Teresa Cristina, o magistral Armandinho Macêdo (com participação do inacreditável Yamandú Costa) e do genial João Bosco. Para interromper o vídeo, clique em "acabei de assistir".

Não faltarão os meus queridos amigos Marvio Ciribelli e Geraldo Côrtes, cujos trabalhos vocês conhecem de nossas postagens regulares.

Enfim, se o texto estiver chato, desinteressante, mal escrito ou coisa que o valha, mude de canal...rs

Continuarei pesquisando as possibilidades desse espaço, para que possa oferecer mais diversão ou alguma novidade a você, meu prezado leitor e/ou visitante.

Para finalizar, mando um beijo enorme e sinceros agradecimentos aos seguidores do nosso espaço: Hanna, amiga de sempre; Márcia, que está gastando o sol no verão do Rio; Ritinha, sempre amável com nossos escritos; Luciana, que vai ficar logo sarada da coluna; Virgínia Vicamf, que escreve magníficamente e a Beatriz Diniz, incansável em defesa do meio ambiente. A vocês sou grato por estarem aqui conosco. Um grande beijo.

Espero que gostem das novidades. E se gostarem mandem sugestões de vídeos, que procurarei atender.

Bom dia a todos e bom feriado aos cariocas.

Saudades.

Estamos muito bem aqui. Eu e Neuma, querida de anos, sua luz. Tudo certinho por aqui, com a graça do Senhor. Temos de tudo. A granjinha tá linda que só vendo! Neuminha fez uma galinha caipira, no jeito. “Cê” ia se fartar! Nossa Neuma bem lembrou...


E as hortaliças? Que “belezura”! Deve de tá com água na boca que eu sei. Almoçamos falando n’ocê. Neuma molhou os olhos duas vezes. Mas, durona, disse que foi cisco. Veja só! Capitão tá danado de ranzinza. Êta cãozinho bom! Mas tá velho, o bom amigo. Vai deixar saudade. Mas não sai de nosso pé aqui no alpendre. Aliás, tomamos aquele café gostoso que só Neuminha faz. Ela colocou aqueles biscoitos amanteigados e nós papeamos até... O assunto? De um tudo, mas principalmente sua vida. Ela estava com nosso bauzinho de fotos. Tinha uma em que você vestia apenas uma fraldinha e esticava os braços com cara de “choramingo”. Ela lembra que nesse dia ocê pedia prá ela não sair prá roça. A querida molhou os olhos de novo. Mas a vida era dura naqueles tempos. Nossa! Neuma deu muito duro comigo prá criar “ocê”. Nem sei se eu estaria vivo se não fosse ela.

Estamos muito bem aqui. A roça tá bem cuidada, as duas vaquinhas dão leite do bom e os bezerrinhos vão ficar uns baitas...

Nós vamos ficando por aqui, filho. Sei que ocê é um bocado ocupado nessa sua vida de doutor. Deve de tá cansado, né filho? Nessa “cidadezona” tem muito prá se fazer. Fica com Deus e Jesus te guarde, filho querido. Não se preocupe, que aqui a gente tá cuidando direitinho um do outro. Ninguém se resfria ou tem dor de cabeça. A única coisa que dói um pouco é essa danada de saudade. Mas isso é coisa que dá em velho, filho. Liga não! Besteira. Sabemos que sua vida é muito ocupada. Nossa Neuminha quer saber: quando vamos ganhar netinhos?

Filho, nossa vida é muito boa e rezamos pela sua saúde e da Marli, sua mulher. Tudo vai ser bom na vida d’ocês. Tá tudo muito bem aqui. Nossa saudade é grande. Uma horinha que der cê aparece, tá?

Êta saudadezinha danada de boa. Fica com Deus, meu filho. Aqui, os anjos nos guardam, cuidam e guiam. Fique bem e seja feliz!

Papai e Mamãe.



E assim, aquele homem muito ocupado leu, mais uma vez, a carta amorosa escrita por seus pais. Carta que não chegou a ler em seu devido tempo. E, com um abraço afetuoso olhou para o filho, que perguntou num tom entristecido:

- Papai, seus olhos estão molhados? – colocando o dedo indicador na lágrima que descia pela face do pai.

- Sim, meu amor. Como os olhos do vovô e da vovó – respondeu triste, o homem ocupado.

(Anselmo Verissimo)