domingo, 2 de maio de 2010

O Ganso assinou a sua convocação...Santos dos Santos! O Clássico.

Quem viu se encantou e nada entendeu. Quem não viu, perdeu.

"Eu não, professor! Tira o André. O Jogo é meu!Vou ficar aqui..."

Foi mais ou menos isso que o Paulo Henrique Ganso disse ao Dorival Júnior. Que sorte tem esse treinador. Que sorte, tem o telespectador que parou à frente do televisor. Um espetáculo! Nada que se possa imaginar. Um roteiro, que jamais será escrito. Personagens mitológicos. Um futebol, como há muito não era jogado no país. Não só pelo Santos. O Santo André foi magistral. Quase invencível...Quase!

Nas décadas de 60 e 70 era este tipo de futebol que se jogava no Brasil. Nada que impressionaria a quem viveu naquela época, como eu. Mas, a saudade é tamanha que não contenho a emoção.

Tudo o que penso sobre futebol se resumiu neste jogo. Audácia, talento, força, experiência, raça, humildade e inteligência. Sobretudo, inteligência. Visão de jogo. "Joga bola, jogador...". A bola, só procura o craque. Procurava o Ganso. E como os dois se entendem. Ela, uma linda mulher indomada. Ele, um lorde! Ambos se olham e se amam. Sem nem ao menos necessitarem de maiores apresentações. Um laço, os uniu, lá, muito além do infinito imaginável...Nasceram um. Foi assim que aconteceu e ficou registrado.

O Brasil conheceu um craque que todos sentiam falta. Uma ausência sentida, que volta para preencher um vazio insuportavel até então. O vazio deixado por Nilton Santos, Didi, Zito, Gérson, Carlos Alberto Torres...e mais alguns outros, poucos.

Não foi a ginga incrível ou passo-de-balé-moleque que decidiu o jogo. Foi o conhecimento, a força moral, a visão crítica e vencedora, o talento maduro e sofisticado de Paulo Ganso.

Este moço fez com que uma frase que costumo dizer, se tornasse um fato concreto: "Técnico não ganha jogo, mas ajuda a perder".

Louvo a humildade do Dorival Júnior em reconhecer o elevado espírito profissional, e a moral inabalável, deste jovem e talentoso jogador. Foi perfeito em suas colocações a respeito da "rebeldia" do craque. Espero, que ao chegar no vestiário, tenha dito em alto e bom som, para todos ouvirem: " Obrigado pelo título, Ganso!".

Aqui deste espaço agradeço o espetáculo!

É! Está dito. Muito obtigado.