terça-feira, 8 de junho de 2010

Outro dia!

De quando em quando,
Quando dá e quando posso,
Quando quero e quando tenho,
Quando tanto é tão nosso.

É quando vou e quando volto,
Quando tento, e me aposso,
Quando ainda mais me revolto,
Pois é quando me destroço.

Quando o tanto que te quero,
Sufoca-me quando tento o ar.
É quando mais me desespero,
Pois não a tenho mais para amar.


(Anselmo Verissimo)