quinta-feira, 29 de julho de 2010

Assim.

Sou louco,
Torto,
Sou tanto,
Tão pouco;

Também sou vivo
e um tanto morto.
Alguém esquivo
do amor do outro;

Mas, sou mar,
ar, vento e ilusão.
Venho aqui , vou lá,
Viajo no meu coração;

Guiou-me uma estrela
Forte, encandescente.
Levou-me a uma ilha,
Recanto de amor ardente.

Agora, estou só.
Mas inteiro.
Na garganta, um nó.
No meu corpo, teu cheiro.

(Anselmo Verissimo)