sábado, 5 de fevereiro de 2011

Meio assim...

Sou cinza,
Escombro,
Cicatriz,
Saudade.

Impetuosidade,
Liberdade,
Alegria,
Dignidade.

Conhecimento,
Inocência,
Confiança,
Autoridade.

Sou o senhor dos meus passos e caminho com tranquilidade pela vida que escolhi.
Sou o encanto de sonhos descabidos e o suporte das vidas necessitadas.

Sou esteio,
Penumbra,
Luz,
Carinho.

Amor,
Ilusão,
Flor,
Espinho.

Paz,
Tormento,
Decisão,
Afastamento.


Não caminhe o meu caminho, não adentre ao meu camarim.
Não me sonhe o seu sonho, não cobre seu amor a mim.

Sou etéreo,
Incandescente,
Imponderável,
Transigente.

Mas não sou sua vida e não tenho lugar em ti, quiçá em mim...
Sou o eu de mim mesmo, que a vida cuida e leva...

É! Sou, talvez, assim.

(Anselmo Verissimo)

5 comentários:

  1. Anselmo,

    É, aprendemos que dois corpos não podem ocupar o mesmo lugar no universo, quanto mais os pensamantos, os sonhos, os objetivos, os caminhos...
    Podemos sim, participar de tudo isso e para tanto, é necessário respeitar as diferenças de cada um, os sonhos, as decisões, os caminhos, o silêncio, sem invadir os camarins alheios.

    Cada um tem seu tempo e é por isso, que cada um de nós abre os olhos pela primeira vez e fecha-os definitivamente, sob seu próprio comando, independente de estarmos sozinhos ou acompanhados nessa longa viagem que é a vida de cada um de nós.

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. LEMBRAS DISTO?
    DOMINGO, 5 DE JULHO DE 2009
    Para uma amiga tímida. Uma loucura!
    "CERTAMENTE, NÃO TENHO AQUELA COMPETÊNCIA TODA...
    SOU MEIO BICHO SEM DONO, SEM RUMO. PROCURANDO UM LUGAR
    ANIMAL FERIDO E ARREDIO, COM MEDO E ASSUSTADO COM GENTE...
    QUE TINHA UM LAR E AGORA É UM INDIGENTE..
    ACHANDO, QUE CARINHO DÓI" . (autor: Anselmo Verissimo)
    Nos caminhos da vida encontramos diversas histórias. Personagens incríveis que nos trazem lições inimagináveis.
    Conheci um louco, um dia desses. O cara mais estranho! Havia algo que ele queria me dizer, mas não sabia como. Ou, nem bem sabia o que dizer. E foi assim chegando. Sentou à minha frente e olhou nos meus olhos:
    - Cara, você é santo. Tá nos olhos, cara! Vo-cê é san-to. - pausado assim.
    Fiz cara de poucos amigos e procurei algo para me distrair. Olhei para o alto, consultei o celular...o louco, ali
    - Me diz se vai chover? - quase soltei uma risada - Anda meu santo, diz
    Olhei à minha volta, na esperança que alguém por perto pudesse me socorrer se algo ruim acontecesse. Ninguém
    - Santinho, vou conseguir um trabalho amanhã? - Putz! O cara tá na pior. Vai me assaltar.
    Eu quase respondi alguma coisa, só pra ver se o doido ia embora, mas me segurei. "Não posso dar espaço pois ele pode pirar geral" - pensei. Segui na minha.
    Comecei a murmurar uma música: "Quando piso em folhas secas..." O cara levantou. "Vou levar uma porrada"- imaginei.
    - Adoro essa música! - disse doidão, com os olhos cheios d'agua.
    "Eu tinha um Amor.
    Linda!
    Amante deslumbrante.
    Cálice do mais saboroso vinho.
    A pele, era sêda que ninguém jamais tocou.
    O meu Amor, era o céu do mais puro azul,
    A fonte inesgotável de prazer e sedução.
    Aquele meu amor me dava luz e paz no meu sono.
    E eu, louco de amor, era feliz.
    Ah! o meu Amor.
    Me trazia os sonhos mais lindo, que só Carlitos traduziu.
    Me fez viajar em prantos e risos.
    Me trouxe saber e harmonia...
    E eu, louco de amor, era feliz.
    Ah! o meu amor, que era tão meu,
    Um ar tão puro, que me ardia os pulmões.
    O alimento tão tenro, que me saciava por todo o dia.
    Era, o meu Amor, o meu sangue.
    Entende, meu santo?
    Eu tinha um Amor.
    E meu amor, se foi.
    Ele volta?
    Eu não mereci o amor que tinha, pois fui fraco.
    A vida me levou para longe daquele meu grande Amor.
    Deixei que todos os dias fossem apenas dias dos dias de qualquer um.
    E meu Amor, não merecia.
    Ah! o meu amor
    Ouvi aquilo tudo e não acreditei que estava sendo dito por...bem, por um louco?
    Quem são os loucos? De que lugar os seus pensamentos viajam? Em meio aos meus, tão mais confusos(?), notei que estava só. De novo só. E aquele louco? Para que lugar teria ido? Para onde vão os loucos? Para onde vão, os loucos de amor
    Tudo é espelho. Loucos somos nós, quando podemos ser felizes e pensamos demais. Se a cada loucura que cometemos nos coubesse um pote de ouro, seríamos ricos. Ricos são os loucos. Os loucos de amor
    Ah! o meu Amor.
    Boa noite de loucuras a todos.

    ResponderExcluir
  3. Lindo seu poema. É bem a expressão de si mesmo. Em palavras sob melodias, vc coloca sua alma, o espelho do que sente pela vida e da vontade maior, que mesmo em meio ao conflito, é o seu desejo mais forte - A solitude.
    Beijosssssssss
    Ariane Freire

    ResponderExcluir
  4. "É! Sou, talvez assim!... um misterio sem fim!...rsss
    Ops, que mania feia que eu tenho de ficar rimando tudo!... ram ram... sei, rss
    bju querido!

    ResponderExcluir
  5. BELO POEMA, PARABENS, ALÉM DE BOM RADIALISTA E FOTÓGRAFO, POETA, DEUS REALMENTE ´TE AMA.

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante. Avalie, critique, fique a vontade.