sábado, 30 de abril de 2011

Saudade de mim?

Prá que saudade de mim?
Estarei sempre por aí a passear
Em teus pensamentos,
A rolar nos teus lençóis macios,
Nos sonhos da tua noite fria e vazia
Acompanhada apenas pelo luar triste
A iluminar teu leito.
Prá que saudade de mim?
Olhe bem ao teu lado, na cabeceira.
Te deixei a aliança onde dizia:"te amo".
É tua medalha, tua glória.
Não deixará que te esqueças
Que não precisas ter saudade de mim...
Pois que fui posto a pó, nos dias mais felizes de tua vida,
E pelos cantos me depositei, apenas para que não te incomodasses.
Não tenhas mais saudade de mim.
Ando por aí, em todo lugar, me escondendo de te encontrar.
Tirando, de todo, o tempo que foi teu lugar no meu coração.
Não! Não tenhas nunca, saudade de mim.

(Anselmo Verissimo)